O alho é um desses superalimentos com tantos benefícios que é até difícil de acompanhar. Ele é conhecido por suas propriedades antimicrobianas e contém compostos organosulfurados benéficos que reduzem a inflamação, oferecem benefícios antioxidantes e fortalecem o sistema imunológico. Pesquisas encontraram até mesmo um risco reduzido de câncer de pulmão entre pessoas que comem alho cru duas vezes por semana.

Agora, há ainda uma outra razão para abraçar o seu hálito de alho: esta erva pode realmente aumentar a sua memória – por meio do seu intestino!

Um novo estudo apresentado na reunião da Biologia Experimental de 2019 sugere que o consumo regular de alho pode ajudar a combater as mudanças relacionadas à idade no intestino (principalmente a diminuição da diversidade microbiana) que estão associadas a problemas de memória como Alzheimer e Parkinson. Para o estudo, os pesquisadores deram aos camundongos mais velhos um suplemento oral contendo sulfeto de alilo – um composto organosulfurado derivado da alicina encontrado no alho. Em comparação com os ratos que não receberam o composto, estes ratos mostraram melhor memória de longo e curto prazo e bactérias intestinais mais saudáveis.

“Nossas descobertas sugerem que a administração dietética de alho contendo sulfeto de alila pode ajudar a manter microorganismos intestinais saudáveis ​​e melhorar a saúde cognitiva em idosos”, disse o pesquisador Jyotirmaya Behera.

Mas como exatamente o alho tem esse efeito?

O alho tem sido conhecido por funcionar como um prebiótico (o que significa que ele alimenta as bactérias saudáveis ​​em seu intestino, permitindo que ele se desenvolva). E as pesquisas estão cada vez mais demonstrando que um microbioma intestinal saudável e diverso tem um impacto positivo na saúde mental, enquanto um intestino não saudável tem o efeito oposto. De fato, outro estudo recente descobriu que pacientes com depressão tinham níveis mais baixos de dois tipos importantes de bactérias intestinais.

Os micróbios residentes no corpo regulam a inflamação, imunidade, produção de várias vitaminas, desintoxicação, metabolismo de carboidratos e até a produção de importantes neurotransmissores como a serotonina e a dopamine.

Resumindo: Não há realmente nenhuma razão para não comer alho. Mas para obter o maior benefício nutricional desta erva, a maioria dos especialistas recomenda comer alho cru, pois o calor pode destruir seus compostos benéficos. Melhor ainda, esmague ou pique o alho e deixe-o descansar por pelo menos 15 minutos antes de consumi-lo – isso é necessário para desencadear a formação de alicina, que então se decompõe em uma variedade de compostos organosulfurados benéficos (incluindo sulfeto de alila).

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.