A transição para a menopausa pode ser desafiadora, independentemente da sua idade. Porém, para algumas mulheres, a menopausa pode começar muito antes da idade média de cinquenta anos: pode começar já aos trinta, quarenta anos. E como a menopausa precoce afeta apenas uma pequena parcela da população, isso não é discutido com frequência, tornando-a ainda mais chocante e confusa para quem passa por ela.

A menopausa é o processo natural pelo qual os ovários da mulher param de produzir estrogênio, interrompendo a fertilidade e a menstruação. A idade média da menopausa é de cinquenta anos. A menopausa precoce acontece quando esse processo começa em uma idade mais jovem que o normal. (Quando a menopausa começa antes dos quarenta e cinco anos, é considerada menopausa precoce; se o processo começa antes dos quarenta anos, é menopausa prematura. A única diferença entre os dois é a idade em que ocorre.)

Diagnosticar a menopausa precoce é um desafio para o profissional de saúde, e o diagnóstico também pode ser um desafio para uma mulher jovem.

Se uma mulher não menstrua por doze meses e apresenta outros sintomas de baixo estrogênio, e seus exames de sangue – principalmente focados nos níveis de hormônio folículo-estimulante (FSH) e estrogênio – são consistentes com a menopausa antes dos quarenta anos de idade, deve-se suspeitar de menopausa precoce ou prematura. Outros problemas médicos, incluindo disfunção da tireóide, doenças auto-imunes e infecções, precisam ser descartados para fazer um diagnóstico definitivo. Como essas mulheres estão abaixo da idade média do início da menopausa, é melhor repetir esses exames de sangue três a seis meses após uma suspeita de diagnóstico.

O que causa a menopausa precoce? É genético?

Existem alguns fatores que podem aumentar a predisposição de alguém entrar na menopausa precoce.  Esses incluem:

  • Predisposição genética. Se sua mãe entrou na menopausa precoce, você também tem grandes chances.
  • Doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatóide.
  • Infecções virais, como caxumba, malária, varicela ou tuberculose.
  • Toxinas ambientais, como tabagismo, quimioterapia, radiação e medicamentos que podem danificar permanentemente os ovários.
  • Remover os ovários cirurgicamente antes dos quarenta anos de idade. Isso pode ser por motivos como endometriose, cistos ovarianos ou câncer de ovário.
  • Estar abaixo do peso, anorexia ou bulimia aumentam o risco de menopausa precoce.

Como seus ovários não estão mais produzindo óvulos saudáveis ​​e viáveis, uma vez que a mulher passa pela menopausa, ela não pode mais engravidar. Não ser capaz de engravidar naturalmente após a menopausa precoce pode ser emocionalmente devastador.

Embora os avanços tenham permitido que as mulheres pudessem engravidar em quase qualquer idade, o óvulo teria que vir de um doador.

Depressão e ansiedade são mais comuns em mulheres com menopausa precoce, à medida que aprendem a aceitar mudanças, tanto físicas quanto emocionais, não planejadas ou inesperadas.

A doença cardíaca afeta uma em cada três mulheres e é a principal causa de morte entre as mulheres em todo o mundo. Apenas a menopausa precoce não causa doenças cardíacas, mas amplifica os fatores de risco que aumentam a suscetibilidade a doenças cardíacas. Esses fatores de risco incluem uma dieta rica em gordura, tabagismo, obesidade, diabetes e pressão alta, os quais o alcançam mais tarde na vida.

Além disso, os níveis de estrogênio – que têm um efeito positivo no coração antes da menopausa precoce – despencam na menopausa. Essa diminuição significativa do estrogênio não causa doenças cardiovasculares, mas pode aumentar o risco.

A osteoporose é uma doença na qual os ossos se tornam frágeis, tornando-os mais suscetíveis a fraturas e quebras. As mulheres são cinco vezes mais propensas que os homens a desenvolver esta doença. O osso é tecido vivo e está sendo constantemente construído e quebrado. Estrogênio, cálcio e vitamina D fazem parte dos componentes necessários para manter o tecido ósseo saudável e forte. À medida que as mulheres perdem estrogênio no início da menopausa, o material de construção dos ossos é enfraquecido, colocando-as em risco de osteoporose. Deficiências de cálcio e vitamina D também contribuem para a vulnerabilidade óssea. Prevenção é a melhor maneira de evitar ossos fracos em primeiro lugar. Se você está na casa dos vinte, trinta ou quarenta, é importante garantir que você tenha cálcio suficiente na dieta diária para construir ossos fortes e prevenir esta doença.

O que pode ser feito para aliviar os sintomas? É semelhante quando as mulheres passam pela menopausa mais tarde?

Os sintomas que mudam a vida da menopausa precoce e da menopausa são tratados exatamente da mesma maneira. Existem ajustes simples no estilo de vida que as mulheres mais jovens podem fazer para apoiar o envelhecimento saudável e tornar a agitação hormonal menos perturbadora e estressante.

Um estilo de vida saudável percorre um longo caminho a qualquer momento da sua vida, e isso é especialmente verdadeiro na menopausa precoce. Coisas como sedentarismo, dieta não saudável (fast-food!), cigarro e consumo excessivo de álcool podem piorar os sintomas da menopausa. Você pode fazer ajustes simples agora:

  • Mantenha uma dieta focada em frutas e vegetais frescos, grãos integrais e peixe.

Limite a ingestão de álcool e carne vermelha – semelhante à dieta mediterrânea. Esta dieta beneficia seu coração e melhora a função cognitiva. De fato, a dieta mediterrânea está associada à maior expectativa de vida e à menor taxa de doenças cardíacas do mundo e demonstrou ajudar nos sintomas iniciais da menopausa. Verifique se você está recebendo cálcio e vitamina D suficientes de sua dieta para ajudar a suportar alterações na densidade óssea.

  • Remova ou diminua fast-food e doces em sua dieta.

Isso ajudará a limitar a ingestão de calorias e reduzir a ingestão de sódio e gordura. Limitar o consumo desses tipos de alimentos ajudará a reduzir os níveis de açúcar no sangue e colesterol, o que ajuda a diminuir o ganho de peso, o inchaço e a retenção de água, que são muito comuns no início da menopausa.

O que mais pode ajudar?

  • Suplementos:

Se as mudanças na dieta e no estilo de vida não ajudarem a controlar os sintomas da menopausa precoce, existem alternativas e suplementos. Existem muitos estudos científicos que mostram que certas ervas são úteis no controle dos sintomas da menopausa. Extrato de maracujá, L-teanina, geléia real, ashwagandha, cromo, feno-grego, extrato de folha de ginkgo biloba, raiz de maca são algumas das ervas mais pesquisadas para combater os sintomas da menopausa e melhorar sua vida. Suplementos podem ser muito eficazes.

  • Acupuntura:

Quando se trata de ondas de calor, a acupuntura teve críticas mistas. Alguns juram que é útil, enquanto outros não relatam alívio. Como não tem efeitos colaterais, e feito corretamente, acredito que vale a pena tentar.

  • Terapia de reposição hormonal:

A TRH é recomendada quando os sintomas iniciais da menopausa são perturbadores e afetam a qualidade de vida das mulheres. Para mulheres de baixo risco, a TRH pode reverter os sintomas iniciais da menopausa e proteger contra perda óssea e problemas vaginais e da bexiga. Consulte sempre um médico para te orientar.

  • Exercício:

O exercício regular melhora o metabolismo, a densidade óssea, a dor corporal, o humor, a respiração, a energia e a qualidade de vida. Pode ajudar você a se sentir mais confiante e aliviar o estresse dos primeiros sintomas da menopausa. Fortalece seu coração e melhora seus padrões de sono. O sedentarismo não apenas coloca você em risco de doenças cardíacas, pressão alta e outros problemas crônicos de saúde; leva ao ganho de peso, fadiga, insônia e depressão, os quais pioram a transição para a menopausa. Exercitar-se por menos de trinta minutos, três dias por semana, pode mostrar benefícios imediatos à saúde.

  • Pare de fumar:

Fumar aumenta o risco de doenças cardíacas, derrame, câncer de pulmão e morte, além de aumentar a frequência e a gravidade das ondas de calor. Um estudo recente mostrou que mulheres que pararam de fumar pelo menos cinco anos antes da menopausa tiveram uma diminuição significativa na gravidade e na frequência das ondas de calor.

  • Limite o consumo de álcool:

O álcool aumenta o risco de doenças cardíacas, hepáticas, pressão alta, diabetes e câncer colorretal e de mama e piora as ondas de calor. A remoção do álcool, mesmo que seja apenas o hábito de tomar uma ou duas bebidas algumas vezes por semana, tem efeitos imediatos nos níveis de açúcar no sangue, retenção de água, pressão arterial, perda de peso, nível de energia, estabilidade emocional, alterações do sono e pulsação.

  • Dormir:

É necessário. Pelo menos sete horas por noite!

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.