O fator número 1 que causa ansiedade, depressão, síndrome do pânico entre outras doenças mentais na geração atual, é a má nutrição!

No meu ponto de vista, 80% a 90% das pessoas podem não precisar de medicamentos hoje se estivessem seguindo um conselho nutricional. É um número devastadoramente grande de pessoas que se voltaram para os medicamentos quando realmente precisavam apenas de uma mudança em sua dieta e estilo de vida.

Dos níveis de insulina ao equilíbrio hormonal, às dores e aos desejos por comida, os alimentos que colocamos em nosso corpo podem ter efeitos significativos (positivos e negativos) em nossa ansiedade, memória e humor em geral.

Devemos comer para garantir a saúde mental ideal – do nosso humor ao estresse, sono, concentração e energia.

Confira 4 dicas que podem beneficiar a sua saúde mental.

1. Elimine os alimentos processados.

Se você apenas retirar os alimentos processados, estará 80% no caminho.

A eliminação de alimentos processados deve ser a prioridade número 1. A simples eliminação de “junk food” da sua dieta pode iniciar sua jornada para domar a inflamação, a oxidação e a resistência à insulina.

Os alimentos açucarados e processados causam um aumento no açúcar no sangue, elevando os níveis de insulina, que controla os níveis e a atividade dos hormônios do estresse. Portanto, se você está constantemente comendo alimentos processados, seus níveis de insulina permanecerão altos e você ficará em uma “montanha-russa hormonal” o dia todo.

2. Coma mais proteína animal.

Comer proteína animal, traz benefícios significativos para nossa saúde mental. Carne, frango, peixe e ovo.

Os alimentos de origem animal também contêm vitamina D3, que é o tipo exato de vitamina D que o corpo está procurando.

A proteína animal contém todas as vitaminas, minerais e ácidos graxos que seu cérebro e corpo precisam.

Se você não come carne vermelha, aves e frutos do mar são tão densos em nutrientes e podem oferecer benefícios que estimulam o cérebro.

Qualquer gordura que existe na natureza é perfeitamente saudável para comer, desde que não seja processada, refinada ou fabricada.

3. A Dieta cetogênica é uma boa solução

A dieta cetogênica é o caminho a seguir para a maioria das pessoas. Essa dieta rica em gordura e pobre em carboidratos pode diminuir os níveis de insulina, estabilizar os níveis de glicose e permitir que o cérebro queime mais gordura que glicose para obter energia.

A dieta cetogênica é uma ferramenta realmente importante para as pessoas que estão tentando melhorar o acesso do cérebro à energia e a saúde geral do metabolismo do cérebro.

Embora atualmente não exista cura para a doença de Alzheimer, existem alguns métodos de prevenção benéficos que podemos (e deveríamos, de fato) fazer a partir de 20 e 30 anos. E um desses métodos preventivos cientificamente apoiados, acredite ou não, é o cetogênica.

4. O jejum intermitente é ótimo, mas não é para todos.

O jejum intermitente, como a cetogênica pode reduzir os níveis de insulina e glicose no sangue, o que, como sabemos agora, tem efeitos significativos na saúde do cérebro.

No entanto, é importante ter em mente que o jejum intermitente não é para todos – e é importante levar em consideração a saúde mental.

É sempre melhor consultar um profissional antes de iniciar qualquer dieta restritiva para discutir não apenas sua saúde física, mas também mental.

Manter todas as dicas pode ajudar a manter seus níveis de ansiedade, humor e energia estabilizados.

Se você come alimentos integrais e elimina os alimentos ultraprocessados, acúcar refinado …, isso resolve a maior parte do problema.

Portanto, se você precisava de algum sinal para jogar fora seus lanches e doces processados, considere esse seu sinal!

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.