A conexão entre nosso intestino e nosso cérebro não pode ser negada. Muitos distúrbios neurológicos – incluindo enxaquecas, epilepsia, doença de Parkinson, esclerose múltipla e disautonomia – têm manifestações gastrointestinais, como diarréia, constipação e indigestão. Mas só recentemente começamos a desenvolver uma compreensão maior da conversa entre esses dois órgãos, assim como seu impacto físico e emocional.

A ligação entre o intestino e o cérebro é feita pelo nervo vago, que é considerado o principal canal de comunicação entre o trato gastrointestinal e o cérebro (e que envia sinais em ambas as direções). Como o nervo mais longo do seu corpo, o nervo vago vai da base do cérebro até o pescoço e depois se estende até o abdome, tocando o coração e quase todos os principais órgãos em seu caminho – e seus efeitos na saúde física e mental são extensos.

Como o nervo vago afeta a saúde?

Embora saibamos que o nervo vago tem muitas funções, nem sempre estamos completamente certos de como isso funciona. O que sabemos: é um ator fundamental no sistema nervoso parassimpático. Quanto mais estimulamos o nervo vago (por respiração profunda, por exemplo), mais aumentamos os efeitos calmantes do sistema nervoso parassimpático e combatemos os efeitos estimulantes do simpático ( “luta ou fuga”).

O nervo vago é também uma ponte pela qual o sistema nervoso entérico se comunica com o sistema nervoso central (SNC). Juntos, eles trabalham para controlar o movimento do trato gastrointestinal, suas secreções, função imunológica de bactérias e fluxo sanguíneo.

Tudo isso equivale a dizer como o nervo vago está funcionando – e, portanto, como o intestino e o cérebro estão se comunicando – pode ter um efeito em tudo, desde os níveis de ansiedade até a frequência cardíaca, digestão, ganho de peso e muito mais.

O que pode fazer o nervo vago ter um desempenho inferior?

O Tônus vagal ou um funcionamento deficiente pode ter implicações significativas para a saúde. O rompimento da função do nervo vago pode ser causado por estresse excessivo, doença, certos medicamentos, inflamação e infecções, entre outras coisas – e quando interrompido, fica mais difícil de relaxar e cuidar de suas funções primárias, incluindo dormir, respirar, digestão e movimento de resíduos através do trato gastrointestinal, pulmões e pele.

Entre outras coisas, esse pobre funcionamento vagal pode levar à estagnação e supercrescimento bacteriano no trato gastrointestinal, e, por sua vez, esses micróbios intestinais “ruins” podem influenciar a atividade do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) através do nervo vago, que pode afetar a atividade celular neuronal importante no cérebro e levar à inflamação e neurodegeneração. O que vai mostrar como tudo está conectado.

Mas isso não é tudo. Aqui estão alguns outros problemas associados com baixo tônus ​​vagal, ou um nervo vago de baixo desempenho:

  • Náusea
  • Vômito
  • Diarréia
  • Prisão de ventre
  • Gastroparesia
  • Refluxo
  • Ansiedade e depressão
  • Ganho de peso
  • Dor abdominal
  • Dor articular e muscular
  • Dores de cabeça
  • Psicose
  • Perda de memória
  • Desregulação da temperatura
  • Tontura
  • Fadiga
  • Insônia

Como melhorar a comunicação intestino-cérebro através do nervo vago e melhorar a saúde geral?

Felizmente, há algumas coisas que podemos fazer sozinhos para otimizar a comunicação entre o cérebro e o intestino por meio do nervo vago. As etapas descritas abaixo podem ajudar a regular o tônus ​​vagal, reduzir a inflamação (que pode suprimir a função do nervo vago) e assegurar um equilíbrio simpático e parassimpático saudável em geral. Isso, por sua vez, pode ajudá-lo a recuperar-se mais rapidamente após períodos de estresse, melhorar a digestão e levar a uma série de outros benefícios ao corpo inteiro.

  1. Tente respirar fundo ou meditar (ou ambos!).

A respiração profunda é uma das formas mais simples, porém eficazes, de estimular o nervo vago. Quando a sua expiração é mesmo mais longa do que a sua inspiração, o nervo vago envia um sinal para o cérebro para aumentar o seu sistema nervoso parassimpático. Experimente este exercício: Respire por duas contagens e quatro contagens, com uma pausa de contagem no topo da inspiração e uma pausa de contagem na parte inferior da expiração. Múltiplos estudos também apóiam o poder da meditação para melhorar a dor, o sono, o apetite, a ansiedade e a função gastrointestinal por meio de um efeito direto no tônus ​​vagal.

  1. Vá para uma aula de yoga.

Pesquisas mostram que praticar exercícios moderados regulares, como yoga, aumenta a motilidade gástrica – as contrações do músculo liso gástrico, essencial para o movimento da comida através do trato digestivo – e faz isso estimulando o nervo vago.

  1. Tome um banho frio.

Considere terminar seu banho com um jato de água fria de um minuto e não tenha medo de ir para fora para uma caminhada quando está frio. Estudos mostram que a exposição aguda ao frio ativa o nervo vago.

  1. Coma alimentos ricos em triptofano.

O triptofano na dieta é metabolizado no intestino e pode ajudar os astrócitos – células do cérebro e da medula espinhal – a controlar a inflamação, o que pode melhorar a comunicação do intestino com o cérebro por meio da via do mensageiro vagal. Esses alimentos incluem espinafre, sementes, nozes, bananas e aves.

  1. Mantenha um peso saudável.

Obesidade e inflamação intestinal podem perturbar a atividade vagal e afetar negativamente a conexão entre o cérebro e o trato gastrointestinal. Então, se você está com sobrepeso, sua melhor aposta é adotar práticas sustentáveis ​​que levem à perda de peso a longo prazo.

  1. Certifique-se de fazer cocô diariamente.

Consuma muitos alimentos ricos em fibras diariamente e mantenha padrões rotineiros de sono e exercício para permitir que seu corpo elimine em um ritmo diário. A eliminação saudável garante menos estagnação de resíduos de alimentos inflamatórios no cólon e um ambiente menos hospitaleiro para organismos indesejáveis ​​que podem prejudicar a comunicação entre o cérebro e o intestino.

  1. Tire o açúcar da sua dieta.

O excesso de açúcar não causa apenas inflamação crônica, mas também prejudica as alças de feedback celular e outras vias de sinalização, e a inflamação do revestimento da mucosa do trato gastrointestinal permite que os patógenos perpetuem ainda mais os sinais inflamatórios no cérebro.

  1. Tome um probiótico.

Além de reduzir sua ingestão de açúcar para promover um intestino saudável e manter a sinalização intestinal ideal, considere adicionar alimentos fermentados ou um probiótico à sua dieta. Pesquisas mostram que os microrganismos intestinais podem realmente ativar o nervo vago. Em um estudo, camundongos que receberam o probiótico Lactobacillus rhamnosus apresentaram aumento na produção de GABA e redução no estresse, depressão e ansiedade. No entanto, esse efeito benéfico não ocorreu entre camundongos cujo nervo vago havia sido removido.

  1. Se você come muita proteína animal, diminua a escala.

Carne vermelha e ovos contêm colina, o que pode ser bom para você, mas quando consumido em excesso é convertido em N-óxido de trimetilamina (TMAO), um composto que tem sido associado com inflamação e problemas cardiovasculares. O consumo reduzido desses alimentos pode diminuir a inflamação e permitir que o nervo vago regule melhor os sinais vitais parassimpáticos e simpáticos, como a pressão arterial e a frequência cardíaca.

  1. Considere o jejum intermitente.

Alguns estudos sugerem que o jejum e a restrição alimentar podem ativar o nervo vago. E, dada a série de outros benefícios do jejum – desde melhor função cognitiva até perda de peso e redução da inflamação – pode valer a pena tentar. A melhor parte: sua janela de jejum não precisa ser tão longa para colher grandes benefícios.

  1. Ouça a sua música favorita.

Pesquisas mostram que o canto tem um efeito biologicamente calmante, que tem tudo a ver com o nervo vago. Então vá em frente, cante junto com o rádio quando estiver no carro – ou melhor ainda, quando estiver tomando um banho frio!

Estas são apenas algumas coisas que você pode fazer para melhorar a função cerebral, a função intestinal e tudo mais. Às vezes, vias complexas podem responder a intervenções simples.

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.