Não só precisamos comer para viver, mas muitos de nós também amamos comer, seja para uma ocasião especial ou apenas porque nos faz sentir bem. Não é de se admirar que cada vez mais estejamos percebendo como a nutrição está tão intimamente relacionada a muitas doenças que antes não pareciam estar relacionadas à nutrição. 

Preciso começar dizendo que não existe uma dieta ou suplemento que possa prevenir a doença de Alzheimer 100%. No entanto, tornou-se mais evidente nos últimos anos que a nutrição pode desempenhar um papel na prevenção e na progressão do Alzheimer.

Embora não esteja totalmente claro exatamente como nossos padrões alimentares podem levar ao Alzheimer, sabemos que a inflamação no corpo e a resistência à insulina estão relacionadas ao seu desenvolvimento, sugerindo uma conexão com a comida. Na verdade, algumas doenças crônicas diretamente ligadas à nutrição, como obesidade, doenças cardíacas e diabetes tipo 2, são fatores de risco para o mal de Alzheimer.

Os pesquisadores descobriram que as dietas ricas em gordura e açúcar, que normalmente causam a síndrome metabólica, também parecem levar ao desenvolvimento de sintomas característicos da doença de Alzheimer. As doenças que normalmente surgem da síndrome metabólica, como doenças cardíacas e diabetes, também estão ligadas à inflamação crônica como resultado da má alimentação.

Considerando esta conexão entre nutrição e Alzheimer, vamos dar uma olhada mais de perto no que você deve comer e o que não deve, a fim de prevenir o Alzheimer.

Quais alimentos comer para prevenir Alzheimer? 

  • Folhas verdes escuras:

Quando crescemos, nossos pais sempre nos disseram para comer verduras – e por um bom motivo! As folhas verdes, especialmente o espinafre, são uma excelente fonte de folato (entre uma tonelada de outros nutrientes). A conexão entre o folato e o mal de Alzheimer foi pesquisada extensivamente, e há fortes evidências que sugerem que a ingestão de folato está associada a um menor risco de demência mais tarde na vida. Se o espinafre não é sua praia, pode apostar na alface romana, couve de Bruxelas e no abacate.

  •  Peixes, especialmente peixes gordurosos:

Os peixes fazem parte de uma dieta saudável de prevenção de Alzheimer por dois motivos: ácidos graxos ômega-3 e vitamina B12. O salmão, em especial, é uma excelente fonte de ambos os nutrientes essenciais. Estudos mostram que o consumo de peixe ou a suplementação com ômega-3 pode contribuir para uma redução do risco de comprometimento cognitivo. Da mesma forma, os participantes de um estudo que tinham baixos níveis de vitamina B12 (e folato) tinham duas vezes mais chances de desenvolver Alzheimer.

  • Alimentos Fermentados:

Como mencionado anteriormente, a inflamação é um elemento chave em termos de patogênese de doenças crônicas. Existem várias especiarias e ervas que são idolatradas por seus efeitos antiinflamatórios, mas consumir alimentos fermentados é possivelmente a maneira mais rápida de ver esses benefícios. Os alimentos fermentados estão cheios de probióticos (bactérias boas), como bactérias do ácido láctico, que vão direto para o intestino e ajudam a aumentar a população de bactérias benéficas em nosso intestino. Essas bactérias benéficas, por sua vez, nos fornecem uma ampla variedade de benefícios à saúde – a redução da inflamação é um deles. A melhor parte é que existem tipos diferentes de alimentos que se enquadram nessa categoria: iogurte, kefir, chucrute, kimchi, pickles, kombuchá, missô e tempeh. Além dos suplementos probióticos.

Quais alimentos evitar para prevenir Alzheimer:

  • Adicionados açúcares e adoçantes artificiais:

Comer muito açúcar adicionado não contribui apenas para a obesidade, diabetes tipo 2 ou doenças cardíacas. Esses problemas de saúde também são fatores de risco para a doença de Alzheimer. Na verdade, o diabetes tipo 2 tem sido intimamente ligado ao Alzheimer, e agora sabemos que o Alzheimer pode ser causado por anormalidades na maneira como o cérebro decompõe a glicose. Um grande fator no desenvolvimento de diabetes é o consumo excessivo de açúcares adicionados.

  • Carnes Vermelhas e Carnes Processadas:

O excesso de carne vermelha e as carnes processadas padrão, embora cheias de alguns nutrientes importantes, como ferro e vitamina B12, tendem a fazer mais mal do que bem. Nesse caso, há alguns motivos pelos quais você deve limitar o consumo de carnes vermelhas e processadas, como o alto teor de gordura saturada e a inflamação que isso causa. Como mencionado anteriormente, uma dieta rica em gordura (especificamente rica em gordura saturada) pode levar a doenças crônicas que são fatores de risco para o mal de Alzheimer. Da mesma forma, a inflamação que pode resultar de uma dieta rica em carnes vermelhas e processadas é um precursor de muitas doenças, incluindo o mal de Alzheimer. Assim, é melhor limitar a ingestão desses tipos de carnes a apenas algumas vezes por semana.

Basicamente uma dieta de alimentos integrais com ênfase em vegetais, peixes gordurosos e alguns alimentos fermentados ou probióticos é a dieta ideal para prevenir o Alzheimer.
Se tivéssemos que colocar um nome nisso, o a dieta mediterrânea seria a melhor. Quem quer evitar doenças crônicas deve limitar o excesso de açúcar e carne vermelha, especialmente se quiser eliminar alguns fatores de risco para declínio cognitivo. Embora não possamos dizer que uma dieta adequada irá definitivamente prevenir a doença de Alzheimer, não faz mal fazer o que podemos para garantir que permaneçamos saudáveis o maior tempo possível.

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.