Você pode não conseguir ver isso acontecendo, mas a inflamação é o mecanismo de defesa interior do corpo em relação a algo que está errado, como doença ou lesão – ocorre com qualquer coisa, desde um cotovelo machucado até uma barreira intestinal agravada. A pegada? A inflamação pode ser boa e ruim.

Atualmente, não faltam notícias sobre inflamação, a palavra que soa ao mesmo tempo protetora e destrutiva. A pesquisa mostrou associações entre inflamação e doenças cardíacas, câncer, síndrome da fadiga crônica e muito mais. Você pode até ter sintomas como surtos, dores nas articulações ou problemas digestivos sem ter consciência de que a inflamação está realmente na raiz. Nem toda a inflamação terá um efeito importante na sua saúde, e nem toda a inflamação é permanente também.

O que é inflamação, afinal?

Em geral, a inflamação se comporta como uma resposta imune no sentido de que partículas estranhas, como uma infecção bacteriana, por exemplo, estão tentando entrar no seu sistema e seu corpo está usando a inflamação para combatê-lo – a área fica inflamada para que nada mais pode entrar e causar mais danos. Durante uma resposta inflamatória, seu corpo aumenta a produção de glóbulos brancos, citocinas que combatem infecções e células imunológicas, como os neutrófilos.

A principal fonte que causa a inflamação pode ser uma alergia, bactérias infecciosas, intolerância alimentar ou distúrbio auto-imune. Veja como você pode entender qual é a fonte de sua inflamação (ou saber se a possui em primeiro lugar) e como domar.

Inflamação crônica vs. Inflamação aguda

“A inflamação aguda é sempre algo que acontece imediatamente ao seu corpo, como uma infecção ou lesão”. Ela quase existe como preenchimento dos ossos e articulações quando você sofre uma lesão – ela pode se manifestar como inchaço ao redor da rótula, por exemplo, mas geralmente diminui em alguns dias à medida que a lesão cicatriza.

A inflamação crônica provavelmente já ocorre há muito tempo antes que você perceba que está acontecendo. É quase sempre associado a outras condições como doenças autoimunes, como a artrite reumatóide. Esse tipo de inflamação pode existir em vários locais do corpo – como as vias nasais, naqueles com problemas crônicos de sinusite. A pele e o intestino, dois dos maiores órgãos do corpo, são pontos de entrada muito comuns para a inflamação.

O que causa inflamação?

É uma situação do tipo “galinha ou ovo” com inflamação crônica porque está intimamente associada a outras condições médicas. Quando as pessoas têm doenças auto-imunes, elas também apresentam estados altamente inflamatórios, mas em alguém com inflamação crônica no início [que geralmente já é um sinal de uma condição auto-imune ou algo semelhante], que pode contribuir para outras condições.

Qualquer distúrbio autoimune, em que o corpo está desenvolvendo anticorpos contra si mesmo em determinadas áreas, provavelmente está intimamente relacionado à inflamação crônica. Isso inclui condições como artrite reumatóide nas articulações, que causa erosão entre os ossos, doença de Hashimoto na tireóide, eczema e psoríase na pele, asma e sinusite nos seios nasais, e intestino permeável e Crohn, uma doença inflamatória intestinal no intestino.

Se não for tratada, a inflamação crônica pode levar a uma série de outras questões, especialmente no coração e no cérebro. Para o coração, a inflamação de longa data está ligada a doenças cardíacas. No cérebro, pode contribuir para a doença de Alzheimer (pensava-se que as células inflamatórias não poderiam atravessar a barreira hematoencefálica, mas podem), mas a patogênese exata não é clara.

Como você sabe se você tem inflamação crônica?

Sinais comuns de que a inflamação está acontecendo geralmente existem no trato gastrointestinal, na pele e nas articulações. Você pode sentir qualquer forma de desconforto gastrointestinal, como diarréia ou constipação (também pode ter uma condição inflamatória intestinal associada). Os sintomas de pele geralmente incluem fugas, urticária ou erupções cutâneas que aparecem do nada, porque seu corpo está tendo uma resposta imune a alguma coisa. A dor nas articulações também é comum, porque as áreas ao redor das articulações ficam inflamadas como um modo de proteção contra um agente inflamatório.

Os sintomas de saúde mental também não são incomuns. O nevoeiro cerebral é um importante sinal de inflamação que inclui falta de foco, não ser capaz de pensar corretamente e falta de clareza mental.

Existem exames de sangue que medem marcadores de inflamação. O seu médico testará os níveis de dois marcadores inflamatórios principais: VHS, um marcador de sedimentação sanguínea e PCR, ou CProteína reativa, uma proteína produzida pelo fígado em resposta à inflamação. Quando esses níveis são elevados, isso nos diz que há um processo inflamatório. É comum os profissionais repetirem esse teste a cada seis meses; se você tem uma condição auto-imune, é ideal tratar a inflamação diretamente, para que esses marcadores diminuam, mais perto do normal.

A conexão entre inflamação e saúde mental

Um grande fator de inflamação é o estresse. O estresse é um gatilho enorme da inflamação crônica – e também piora com a inflamação, e é por isso que o gerenciamento do estresse é uma peça essencial para domar a inflamação. Sintomas depressivos também podem aparecer. Isso ocorre porque a serotonina, um dos neurotransmissores do corpo que regulam coisas como humor e sono, é produzida principalmente no intestino. Pesquisas recentes estimam que 90% da serotonina são liberados pelo intestino e apenas 10% restantes são liberados no cérebro; portanto, a ligação entre a saúde intestinal e a saúde mental é mais forte do que se pensava. “A serotonina não será liberada adequadamente quando uma pessoa tiver inflamação e problemas de saúde intestinal, portanto isso pode causar não necessariamente um diagnóstico clínico de depressão, mas sintomas depressivos.

Como reduzir a inflamação naturalmente?

  • Remova os alimentos que causam inflamação.
  • Curar o intestino é geralmente o primeiro passo para tratar a inflamação. Eliminar laticínios e glúten, gatilhos inflamatórios para muitas pessoas, pode ajudar. Os alimentos processados ​​também agravam ainda mais a inflamação intestinal.
  • Atenha-se a alimentos integrais que reduzem a inflamação, como vegetais de folhas verdes, frutas como morangos, mirtilos e amoras e gorduras saudáveis ​​com ômega-3 como nozes e sementes de chia, salmão e atum.
  • Olhe para suplementos anti-inflamatórios.

Existem vários suplementos que você pode experimentar que podem aliviar a inflamação. Uma escolha comum é a L-Glutamina, que pode ajudar a curar o revestimento do intestino e diminuir a inflamação no intestino. Os probióticos também são bons para esse fim – eles também podem restaurar boas bactérias no microbioma intestinal. Tomar Ashwagandha ou Rhodiola pode ajudar a domar o estresse e, por sua vez, reduzir a inflamação, especialmente no intestino. A vitamina D também pode melhorar o seu humor (o que faz sentido, porque estar ao sol normalmente faz o mesmo) impulsiona e previne a inflamação. Outro nutriente importante para reduzir a inflamação é o ômega-3.

  • Pratique técnicas e atividades para aliviar o estresse.

Quaisquer práticas mente-corpo, por exemplo, ioga e meditação, podem ajudar na redução do estresse, que é a chave para reduzir a inflamação e pode ajudar com os sintomas associados ao nevoeiro cerebral. De fato, estudos descobriram que as práticas de atenção plena levam a aumentos de massa cinzenta no cérebro, o que é importante para a função cognitiva saudável e a retenção de memória.

  •  Detox! Desintoxique o organismo de tempos em tempos.

 

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.