Problemas de pele. Depressão. Dores de cabeça. O efeito residual dos sintomas de inflamação crônica pode surgir de várias maneiras, mas os alimentos que consumimos diariamente podem fazer toda a diferença no controle da inflamação.

A ligação entre dieta e inflamação

A inflamação não é necessariamente uma coisa ruim. Na verdade, a inflamação ajuda a proteger o corpo contra doenças ou infecções, aumentando a produção de citocinas que promovem a cura, glóbulos brancos chamados fagócitos que destroem as células danificadas e muito mais. No entanto, se a inflamação nunca desaparecer, pode aumentar o risco de desenvolver uma doença crônica como diabetes tipo 2, obesidade e doenças cardíacas.

Os alimentos e bebidas que você consome podem causar um impacto significativo na inflamação do corpo, principalmente no intestino. Alguns alimentos e bebidas diminuem a inflamação intestinal, enquanto outros a aumentam. Quando seu intestino está inflamado, seu corpo produz moléculas inflamatórias que circulam por todo o corpo: Elas são transportadas por nosso suprimento de sangue, então podem aparecer em qualquer lugar. Os sintomas de inflamação crônica se apresentam de várias maneiras, incluindo artrite, fadiga, dores de cabeça, problemas de sinusite, ansiedade, depressão, ganho de peso, névoa do cérebro e problemas de pele.

As pessoas podem ficar um pouco confusas porque não associam seus sintomas à inflamação. Você pode até não saber que seu corpo está inflamado ou que vive com sintomas de inflamação crônica. Mas se você continuar a alimentar seu corpo com alimentos inflamatórios, pode acabar com sintomas implacáveis que muitas vezes levam a doenças crônicas.

Se você já tem uma condição inflamatória, como uma doença autoimune, reduzir ou eliminar alimentos que causam inflamação (em outras palavras, adotar uma dieta antiinflamatória) também pode ser uma parte importante do seu tratamento para reduzir os sintomas.

5 alimentos mais comuns que causam inflamação
  1. Açúcar adicionado

Ao contrário dos açúcares de ocorrência natural que você encontra em frutas e laticínios, os açúcares adicionados encontrados em alimentos como molhos e condimentos comprados em lojas, granola e barras de proteína ou refrigerantes adoçados, suco ou chá podem causar rápidas oscilações na insulina e no açúcar no sangue. Esses picos de curto prazo são freqüentemente encontrados com um aumento nas proteínas pró-inflamatórias. A pesquisa sugere que não demora muito para notar os efeitos: em um estudo, jovens saudáveis que beberam uma lata de refrigerante com 40 gramas de açúcar adicionado todos os dias observaram um aumento nos marcadores inflamatórios, resistência à insulina e colesterol LDL após apenas três semanas.

  1. Gordura saturada

Assim como os açúcares adicionados, o consumo de alimentos ricos em gordura saturada (manteiga, queijo, assados, gorduras ou carnes processadas) está relacionado a um aumento nos marcadores inflamatórios. A gordura saturada imita as ações de uma bactéria inflamatória intestinal conhecida como lipopolissacarídeo.

  1. Carne processada

Comer carnes processadas está associado a um risco aumentado de doenças inflamatórias como diabetes, doenças cardíacas e derrame, de acordo com uma revisão. Resumindo, os comportamentos dietéticos são modificáveis e a ingestão de peixes e / ou aves no lugar de carne vermelha ajudará a impedir os sintomas de inflamação crônica. Carnes processadas como salsicha, bacon, presunto e carne seca geralmente contêm produtos finais de glicação mais avançada (AGEs) do que carnes não processadas. Os AGEs são compostos inflamatórios que se formam por meio de métodos de cozimento em alta temperatura.

  1. óleos vegetais parcialmente hidrogenados

Esses óleos são extraídos com alto calor e / ou solventes químicos, depois “limpos” com mais produtos químicos para produzir um óleo sem sabor. O aquecimento do óleo desta maneira danifica os ácidos graxos essenciais e reduz o número de antioxidantes e vitaminas no produto final. Estes óleos são carregados de gorduras poliinsaturadas ômega-6, que alimentam as vias inflamatórias do corpo.

  1. Excesso de álcool

Beber grandes quantidades de álcool cria crescimento excessivo de bactérias em seu intestino. Quando você tem uma quantidade excessiva de qualquer tipo de bactéria em seu intestino, seu corpo responde ativando proteínas inflamatórias e células do sistema imunológico. Além disso, a pesquisa mostra que grandes quantidades de consumo de álcool em excesso aumentam a permeabilidade intestinal. Normalmente, o fígado pode manter os efeitos inflamatórios sob controle, mas o uso de álcool prejudica a função hepática. O resultado pode ser uma inflamação crônica.

Como diminuir os marcadores inflamatórios ou prevenir os sintomas de inflamação crônicos?
  • Remova os alimentos que causam inflamação.
  • Curar o intestino é geralmente o primeiro passo para tratar a inflamação. Elimine laticínios e glúten, gatilhos inflamatórios para muitas pessoas, pode ajudar. Os alimentos processados ​​também agravam ainda mais a inflamação intestinal.
  • Atenha-se a alimentos integrais que reduzem a inflamação, como vegetais de folhas verdes, frutas como morangos, mirtilos e amoras e gorduras saudáveis ​​com ômega-3 como nozes e sementes de chia, salmão e atum.
  • Olhe para suplementos anti-inflamatórios.

Existem vários suplementos que você pode experimentar que podem aliviar a inflamação. Uma escolha comum é a L-Glutamina, que pode ajudar a curar o revestimento do intestino e diminuir a inflamação no intestino. Os probióticos também são bons para esse fim – eles também podem restaurar boas bactérias no microbioma intestinal. Tomar Ashwagandha ou Rhodiola pode ajudar a domar o estresse e, por sua vez, reduzir a inflamação, especialmente no intestino. A vitamina D também pode melhorar o seu humor (o que faz sentido, porque estar ao sol normalmente faz o mesmo) impulsiona e previne a inflamação. Outro nutriente importante para reduzir a inflamação é o ômega-3.

Clique aqui e conheça os suplementos do Detox de Corpo e Alma.

  • Pratique técnicas e atividades para aliviar o estresse.

Quaisquer práticas mente-corpo, por exemplo, ioga e meditação, podem ajudar na redução do estresse, que é a chave para reduzir a inflamação e pode ajudar com os sintomas associados ao nevoeiro cerebral. De fato, estudos descobriram que as práticas de atenção plena levam a aumentos de massa cinzenta no cérebro, o que é importante para a função cognitiva saudável e a retenção de memória.

  • Detox! Desintoxique o organismo de tempos em tempos.

Um detox bem feito precisa ser feito por no mínimo 7 dias. No detox você retira os alimentos inflamatórios e inclui os alimentos anti-inflamatórios.

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.