Existem produtos químicos à espreita em mais produtos e alimentos do que você imagina, e enquanto alguns podem ser inofensivos, outros podem estar causando estragos em seu sistema reprodutivo, sistema neurológico, sistema imunológico e muito mais.

Em muitos dos itens que você provavelmente usa diariamente (pense em embalagens de alimentos, shampoo, detergentes e muito mais), existem certos produtos químicos que causam danos potenciais à sua saúde, especificamente aos hormônios. Os cientistas se referem a eles como disruptores endócrinos. Os hormônios ajudam a regular os sistemas e processos do corpo, incluindo a respiração, o metabolismo e a reprodução. Portanto, qualquer coisa não natural que interfira na regulação hormonal está tecnicamente “interrompendo” os processos naturais dos hormônios.

O que são disruptores endócrinos?

Os disruptores hormonais são substâncias químicas que podem interferir com nosso sistema endócrino, causando estragos em nossos sistemas reprodutivo, imunológico e neurológico. A maioria desses produtos químicos é fabricada pelo homem e encontrada em nossos produtos cotidianos para nossas casas e corpos. Alguns exemplos são garrafas de plástico, latas de comida de metal, cosméticos, detergentes e até brinquedos para crianças.

Por que isso está se tornando um problema agora? Os produtos disponíveis hoje não são os mesmos que os sabonetes comuns dos seus avós ou as panelas de vidro. A evolução da tecnologia recebeu produtos químicos disruptores endócrinos em nossas cozinhas, produtos de cuidados pessoais e de beleza, tornando-os muito menos saudáveis ​​para o nosso uso (mesmo que você saiba que seu cabelo fica mais brilhante…).

Como exatamente esses produtos químicos disruptores endócrinos interferem na função regular do sistema reprodutivo? Eles trabalham ligando-se a receptores hormonais em nossos corpos, que impedem a ligação de hormônios como estrogênio, progesterona e testosterona. Isso faz com que nosso sistema endócrino funcione mal, possivelmente resultando em condições como infertilidade, síndrome dos ovários policísticos, endometriose e doenças autoimunes.

Esses produtos químicos que causam desregulação hormonal tendem a afetar mais as mulheres do que os homens, uma vez que elas costumam usar mais produtos que os homens em suas rotinas de beleza. Além disso, como as mulheres dependem de hormônios como estrogênio e progesterona, liberados por esses produtos químicos, durante ciclos menstruais regulares eles podem estar mais sintonizados com um desequilíbrio.

Os disruptores endócrinos podem contribuir para algo tão grande quanto a infertilidade em homens e mulheres, para as condições mensais associadas aos ciclos menstruais das mulheres, como TPM, cãibras e menstruações volumosas. Como esses produtos químicos também são naturalmente inflamatórios e o corpo tem problemas para desintoxicá-los, eles podem agravar outros problemas de saúde como a endometriose, uma condição ligada à inflamação crônica.

Ao reduzir sua exposição a produtos com disruptores endócrinos conhecidos ou potenciais, quando possível, você pode ajudar a reduzir a inflamação que pode estar relacionada a outras condições de saúde.

Estes são alguns dos maiores disruptores endócrinos conhecidos a serem evitados. 

  1. BPA

O BPA é o desregulador hormonal mais difundido. Embora exista mais conhecimento e, portanto, mais produtos sem BPA, ele ainda pode ser encontrado em uma variedade de produtos plásticos, de garrafas de água e recipientes de plástico a embalagens de alimentos e produtos de beleza, e nem sempre é divulgado como ingrediente. Segundo a pesquisa, ele bloqueia os receptores de estrogênio, contribuindo para a infertilidade em homens e mulheres, bem como a SOP em mulheres.

  1. Pesticidas e herbicidas

Os resíduos de pesticidas e herbicidas podem ser encontrados em pequenas quantidades em muitos produtos alimentícios não orgânicos, e pesquisas demonstraram que eles podem bloquear a produção de testosterona e a produção de hormônios da tireóide, causando problemas de saúde e infertilidade da tireóide.

  1. PCB

PCBs, ou bifenilos policlorados, são produtos químicos que podem ser encontrados em diferentes cosméticos, sabonetes, detergentes, xampus e condicionadores. Estudos afirmam que eles podem afetar a função reprodutiva, bem como causar sintomas depressivos.

  1. DES

O DES, ou dietilestilbestrol, é um estrogênio sintético que pode afetar negativamente a fertilidade. Ele é proibido principalmente nos EUA, mas pode ser encontrado em vários materiais ignífugos usados ​​em sofás e colchões.

  1. Parabenos

Os parabenos são conservantes geralmente encontrados em itens de cosméticos e de cuidados pessoais, como hidratantes, maquiagem, produtos para o cabelo e cremes de barbear, para torná-los mais estáveis ​​nas prateleiras. Eles imitam o estrogênio e podem potencialmente contribuir para o risco de câncer de mama.

  1. Glifosato

O glifosato é o herbicida mais comum usado em culturas como soja e milho e o ingrediente ativo na maioria dos herbicidas, além de ser um dos muitos produtos químicos potencialmente endócrinos que causam desregulação em nosso ambiente. É por esse motivo que seu uso tem sido fonte de muito debate. A EPA divulgou recentemente uma declaração de que o glifosato não foi comprovado como cancerígeno e provavelmente não afeta o público em geral se não tiver sido exposto a grandes quantidades durante a produção agrícola. No entanto, estudos sugeriram que há uma associação com a exposição a ele e o linfoma não-Hodgkin e outras pesquisas demonstraram que o glifosato está associado a distúrbios no desenvolvimento reprodutivo de ratos, interrupção dos receptores hormonais nas células humanas e expressão gênica regulada pelo estrogênio .

  1. Fitoestrogênios

Fitoestrogênios são compostos naturais encontrados em certos alimentos vegetais que podem imitar o estrogênio. Eles são encontrados mais comumente em alimentos de soja. Pesquisas afirmam que pode ser benéfico para mulheres na menopausa que buscam equilibrar seus hormônios, mas houve pesquisas contrastantes sobre se pode inibir ou incentivar o crescimento de células de câncer de mama em mulheres na pré-menopausa. Se você vai comer soja, é melhor comer alimentos integrais que contenham soja, como edamame, que é minimamente processado e retém muitos de seus nutrientes originais.

  1. Alumínio

Pesquisas no início dos anos 2000 estabeleceram a conexão entre o alumínio nos antitranspirantes e um risco aumentado de câncer de mama depois de reconhecer o impacto do alumínio nos receptores de estrogênio e nos danos ao DNA e citar outras pesquisas que descobriram que o câncer de mama é mais comum nas axilas, onde os antitranspirantes são mais usados. Ao contrário desta pesquisa, uma extensa revisão de 2014 do alumínio concluiu que o alumínio não aumentou o risco de câncer de mama. Ainda não sabemos o suficiente sobre a possível correlação com o câncer de mama, mas existem desodorantes eficazes sem alumínio que têm menor probabilidade de representar um risco.

Você realmente deveria se preocupar com esses produtos químicos?

Não é tão simples quanto uma toxina interromper um processo hormonal e causar uma doença ou problema de saúde. Nossos sistemas são muito mais complexos que isso. Todos nós somos expostos a desreguladores hormonais diariamente. Algumas pessoas desenvolvem câncer e outras não,  nem com a mesma ou pior exposição. Nossos hábitos de saúde podem ter um papel determinante na quantidade de desreguladores hormonais que afetam nosso corpo por exemplo, se fumamos ou não, comemos alimentos saudáveis, de preferência orgânicos, e se temos ou não um peso saudável.

Dado que existem tantas exposições ambientais que não podemos controlar e que contribuem para nossa carga total de toxinas, por que não remover as coisas sobre as quais temos controle. E fazer um protocolo detox de tempos em tempos é essencial!

Como reduzir sua exposição a desreguladores hormonais?

Selecione produtos de beleza ou cuidados pessoais sempre que possível.

Em termos de produtos de beleza, quanto menos ingredientes, melhor.

Evite plástico quando puder.

Essa é uma tarefa difícil, mas é importante reduzir o uso de plásticos, tanto para o meio ambiente quanto para o seu próprio ecossistema. Certifique-se de escolher aço inoxidável ou vidro quando se trata de garrafas de água e recipientes para alimentos.

Escolha alimentos orgânicos e anti-inflamatórios sempre que possível.

É importante comer produtos orgânicos certificados pelo, tanto quanto você puder, essa será sua melhor aposta para evitar pesticidas e herbicidas em seus alimentos. Além disso, se você já foi afetado pela inflamação, certifique-se de escolher uma dieta inteira baseada em vegetais. Evite alimentos inflamatórios comuns como glúten, laticínios, alimentos processados, açúcar, álcool e cafeína, sempre que puder.

Considere suplementos anti-inflamatórios.

A suplementação pode ser importante para combater a inflamação no corpo. Você pode tomar suplementos reguladores de hormônios, como vitaminas ômega-3, açafrão ou óleo de peixe, especialmente se você não consome regularmente peixe, nozes e outras fontes de gorduras saudáveis em quantidade suficiente.

Reduza o estresse prejudicial

O estresse é realmente inflamatório então quanto mais você puder reduzir ou remover sua vida, melhor. Praticar a atenção plena, o movimento e o exercício regular pode aliviar o estresse e, portanto, a inflamação.

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.