Na perimenopausa (também conhecida como o período de transição para a menopausa), os ovários começam a declinar, levando a níveis hormonais mais baixos e aos sintomas que os acompanham. Especificamente, o baixo nível de estrogênio pode levar a piora da memória e concentração, secura vaginal, ondas de calor, suores noturnos e infertilidade. A baixa progesterona pode levar a problemas de sono, ansiedade, ciclos intensos e infertilidade; e a baixa testosterona pode levar a uma baixa na motivação, depressão, baixa libido e falta de energia.

Não há dúvida sobre isso: os sintomas da perimenopausa não são nada gostosos…

Mas há boas notícias! Há muito que podemos fazer para suavizar a transição para a menopausa e reduzir os sintomas. E, curiosamente, minhas recomendações para as mulheres que passam pela perimenopausa são semelhantes ao que eu diria a uma mulher de 20 anos com TPM, ou mesmo a um homem com baixa contagem de espermatozóides ou baixa testosterona. Tudo tem a ver com a restauração do equilíbrio hormonal do organismo.

É preciso fazer um ajuste no estilo de vida para equilibrar os hormônios, incluindo mudanças na alimentação, exercícios e redução e gerenciamento do estresse.

Além disso, existem ervas e suplementos específicos que podem ajudá-lo a chegar lá.

Mas por onde começar?

  1. Reduza o estresse com magnésio e L-teanina.

O estresse é o maior seqüestrador de hormônios do corpo, e não há pílula, poção mágica ou pó que melhore seus sintomas se você estiver estressado crônica e severamente. Enfrentar esse problema significa fazer grandes mudanças, como aprender a estabelecer limites saudáveis ​​e abandonar um relacionamento tóxico ou um ambiente ruim de trabalho. Também requer prática diária, que é onde a meditação, a yoga, a respiração profunda, o descanso e a disponibilidade de tempo para o tempo de inatividade mental aparecem.

Se você já está combatendo o estresse crônico ajustando seus hábitos e estilo de vida, existem alguns suplementos que recomendo para ajudar seu corpo a lidar com os estressores restantes. O magnésio é o mineral mais calmante e é considerado um dos primeiros nutrientes esgotados pelo estresse. O magnésio pode ajudar a relaxar a mente para um sono melhor. Uma deficiência grave pode levar a ansiedade, ataques de pânico, depressão e cãibras musculares.

A L-teanina também é um aminoácido, freqüentemente encontrado nas folhas do chá verde, que se converte em GABA no cérebro. Isso significa que acalma o sistema nervoso central, induzindo um estado relaxado. É muito útil para o sono, ansiedade e estresse.

  1. Corrigir deficiências suplementando com vitamina D e óleo de peixe / ômega 3.

Identificar quaisquer deficiências específicas pode ajudá-lo a criar uma rotina de suplementos. Mesmo sem exames, no entanto, é seguro assumir que você pode precisar de alguns nutrientes específicos que muitas mulheres são freqüentemente deficientes. Omega-3, zinco, selênio, magnésio e vitamina D são os mais comuns que também são críticos para a saúde hormonal – Então você vai querer corrigir essas deficiências antes de entrar na perimenopausa!

  1. Equilibre hormônios com ervas adaptogênicas como rhodiola e ashwaganda.

Na minha prática, muitas vezes uso várias formulações de ervas para ajudar a equilibrar os hormônios. As ervas podem levar semanas a meses para ter efeito total, mas elas podem ser muito eficazes. As ervas adaptogênicas são como um termostato, ajustando a dose de cortisol se estiver muito alto ou muito baixo. A Rhodiola rosea pode ajudar a suportar o sistema nervoso, humor, clareza mental, desempenho no trabalho e um ciclo de sono saudável. Também pode ajudar a preservar os níveis de neurotransmissores, como a serotonina, a dopamina e a norepinefrina, que são importantes para a saúde mental.

Recomendo trabalhar com um nutricionista treinado em fitoterapia que possa testar seus níveis hormonais e fazer recomendações específicas.

Lembre-se: a perimenopausa não tem que ser tão dura como muitos de nós supomos que seja. Tudo se resume em saber o que você pode fazer para ajudar seu corpo nessa transição. Ao reduzir o estresse, trabalhando para desintoxicar o corpo através de escolhas mais saudáveis e um bom protocolo de detox a cada 3 ou 6 meses, e corrigindo deficiências nutricionais, tenho visto inúmeras mulheres superarem seus sintomas indesejáveis.

Escrito por Dra. Daniela Cyrulin

VEJA TAMBÉM:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.